o que é endereço fiscal

O que é endereço fiscal e para que serve?

Você já transformou a sua ideia em um negócio e agora precisa formalizar o empreendimento. Entre as dúvidas mais comuns em relação ao processo de abertura de empresa, podemos citar o questionamento sobre o que é endereço fiscal

O endereço fiscal nada mais é do que a localidade apontada no momento em que você registra a sua empresa para obter o CNPJ. Ele é a referência do seu negócio e é usado para fins de contabilidade, tributos, notificações e registro à Junta Comercial


O local oficial da sua empresa pode trazer credibilidade, segurança e economia de recursos para o seu empreendimento. Ficou interessado no assunto? Acompanhe nosso conteúdo para entender o que é endereço fiscal e para que ele serve. 

O que é endereço fiscal? 

Para formalizar um negócio, é preciso informar quais os serviços e/ou produtos a empresa oferece, quem são as pessoas responsáveis pelo empreendimento e qual será o local onde ele vai oficialmente funcionar, que é justamente o endereço fiscal. 


O endereço fiscal  é o local onde a pessoa jurídica centraliza a gestão de sua atividade, sendo equivalente a sede social da sua empresa. 

Qual a diferença entre endereço fiscal e endereço comercial?

O endereço comercial é o local onde ocorre de fato as operações da empresa, ou seja, onde o empresário recebe clientes e faz negócios. A informação não é exatamente usada para o registro do CNPJ, mas sim para a divulgação dos meios de comunicação.

Enquanto um serve para fins basicamente tributários e formais (endereço fiscal), o outro (endereço comercial) apresenta um propósito puramente comercial. 

O endereço fiscal pode ser o mesmo do endereço comercial, mas para isso o empresário deve possuir o imóvel ou a autorização do proprietário do local que o negócio opera.

Meu endereço fiscal pode ser o meu endereço residencial?

Depende do ramo da atividade do seu negócio. Empresas de comércio, por exemplo, precisam da Inscrição Estadual para recolhimento do ICMS devido à comercialização de produtos físicos. Nesse caso, a Secretaria da Fazenda Estadual não libera esse registro para um estabelecimento comercial cujo endereço coincida com o residencial.  

Além disso, empreendimentos comerciais e industriais precisam seguir especificações prediais e de vigilância sanitária estabelecidas pelo próprio município para funcionar. Por isso, empresas que apresentem essas atividades não podem usar o endereço residencial como endereço fiscal.

Já prestadores de serviços que não tem necessidade da inscrição estadual podem usar o endereço residencial como endereço fiscal. Normalmente, as prefeituras liberam esses empreendimentos. Porém, é preciso ser proprietário do imóvel ou pedir autorização para o dono do local para isso. 

Vale destacar também que os prestadores de serviços que moram em condomínios residenciais, nem sempre têm autorização para usar o endereço residencial para fins de registro. É preciso conferir o estatuto do condomínio e ver qual a regra a respeito de abertura de empresas no local antes. 

Imagine a seguinte situação: você quer abrir um e-commerce e realizar as operações dessa empresa na sua casa. Nesse exemplo, seu endereço fiscal deve ser diferente do endereço residencial. 

Só é possível registar a sua casa como local oficial do empreendimento comercial se você for MEI, uma vez que a Inscrição Estadual é aberta automaticamente ao adicionar no CNPJ uma atividade que necessita da inscrição.

Como conseguir um endereço fiscal?

Como já falamos aqui, o endereço fiscal é um requisito obrigatório para formalizar sua empresa. Uma forma de conseguir um endereço fiscal sem precisar alugar um local para realizar o registro do seu negócio, é contratar uma empresa que oferece o serviço de locação de endereço fiscal

Essa opção tem sido uma alternativa de redução de custo para muitas pessoas jurídicas que operam em home office ou até mesmo prestadores de serviços que querem ter um endereço fiscal com credibilidade e segurança. 

Mas, afinal, quais as vantagens de contratar um endereço fiscal?

o que é endereço fiscal?
O que é endereço fiscal? Veja as vantagens em contratar um

Regularização do negócio

O endereço fiscal é uma exigência para você emitir o CNPJ da sua empresa e garantir a regularização do seu negócio. 

Uma empresa legalizada proporciona uma série de benefícios para os donos e sócios do empreendimento. Podemos citar o direito à previdência social, a maior segurança fiscal ao patrimônio do empresário e o melhor relacionamento com os fornecedores, por exemplo. 

Além disso, a empresa tem mais chances de conseguir créditos no mercado e até mesmo pode se candidatar a licitações da União, estados e municípios. 

Economia de recursos

Ao invés de gastar com aluguel e manutenção de um local para registrar o seu negócio na junta comercial ou no cartório de registros de pessoas jurídicas, é possível desembolsar menos de R$ 100 por mês para ter o endereço fiscal de sua empresa. 

Registre a sua empresa no endereço fiscal da Contabilivre. Saiba mais sobre esse serviço exclusivo para clientes que fazem contabilidade com a gente! 

Endereço estável 

Contratar um endereço fiscal traz estabilidade a sua empresa, independente de onde você esteja operando. É possível mudar a localização do seu escritório ou da sua clínica, por exemplo, sem a necessidade de realizar alterações no contrato

Fora isso, todas as suas correspondências são centralizadas em um único endereço, a empresa que você contrata o serviço, gerencia esses documentos e as envia para você aonde estiver. 

Localização estratégica

A localização do endereço fiscal pode trazer credibilidade para a sua empresa. Você pode ganhar confiança dos consumidores e de futuros parceiros ao disponibilizar o endereço em locais conhecidos e de destaque. 

Conheça as vantagens de utilizar nossa contabilidade online e aproveite para saber mais sobre nosso serviço de Endereço Fiscal na famosa Av. Paulista em São Paulo. Comece seu negócio em um endereço de destaque com todo suporte Contábil e Fiscal para sua empresa!

Segurança 

Quando o empresário opta por colocar o endereço residencial como endereço fiscal, qualquer pessoa com o número do seu CNPJ tem acesso ao local em que o empreendedor mora. Além de não ajudar a construir credibilidade no seu negócio, optar por usar o endereço residencial no registro ainda pode te deixar vulnerável.  

O que levar em conta para escolher o endereço fiscal?


Como você pode perceber, contratar uma empresa que subloca seu endereço fiscal pode trazer diversas vantagens para seu empreendimento. Mas antes de escolher seu endereço fiscal, é importante checar se a empresa que você optou tem licença para sublocar o endereço fiscal. 

Além disso, analise se o serviço oferece salas de reuniões e se a localização pode contribuir para aumentar sua credibilidade

O momento em que vivemos é de transformação digital. O fenômeno traz como conceito o uso da tecnologia como ferramenta de solução de problemas tradicionais. A contabilidade online pode ajudar o seu empreendimento e facilitar as burocracias do mundo dos negócios.

Agora que você já sabe o que é endereço fiscal e quais as vantagens de contratar um, aproveite para conhecer o serviço da Contabilivre.

botão para contato da contabilivre no conteúdo de comprovante de renda autônomo


Empresa inativa precisa de contador

Empresa Inativa precisa de contador? Descubra

Uma dúvida comum entre os empresários é se empresa inativa precisa de contador. O questionamento ocorre principalmente quando os donos de negócios resolvem pausar suas atividades e não têm certeza se o empreendimento ainda precisa cumprir obrigações fiscais e contábeis

Mesmo que a empresa esteja inativa, ou seja, fique sem despesa e movimentação financeira ela precisa de contador, uma vez que perante o governo, o negócio ainda existe. Dessa forma, ela apresenta obrigações acessórias e principais, que variam para cada estado e ramo de atuação do negócio.  

Deixar a empresa aberta sem a guarda dos serviços contábeis pode trazer consequências para o empresário, como multas e CNPJ  Inapto  pela Receita Federal. 

Quer saber por que empresa inativa precisa de contador? Preparamos um conteúdo para tirar suas dúvidas sobre o assunto. Acompanhe! 

Quando uma empresa é considerada inativa pela lei? 

Uma empresa é considerada inativa pela lei quando não desempenha atividades operacionais, não operacionais, financeiras ou patrimoniais durante o ano-calendário, porém, não encerrou as atividades

Muitas pessoas, no entanto, confundem o termo empresa inativa com empresa sem movimentação. O empreendedor precisa saber diferenciar cada condição, uma vez que elas impõem situações práticas divergentes. 

Uma empresa é considerada sem movimentação quando um negócio, mesmo após pausas de meses, realiza qualquer tipo de pagamento, recebimento de duplicatas ou fornecedores no ano-calendário

Um exemplo comum dessa situação é quando uma empresa possui um parcelamento ativo como débitos tributários e, ao pausar as atividades, continua realizando o pagamento desse compromisso, o que acarreta em transação financeira. Nesse caso, a empresa não se encontra inativa, mas sim sem movimentação. 

Quais declarações uma empresa inativa deve entregar?

As obrigações de uma empresa inativa não são absurdas, elas consistem em enviar declarações ao fisco para comprovação. A documentação exigida varia de estado para estado e de acordo com o ramo de atividade. O regime tributário da empresa também influencia nas obrigações. 

Mas no geral, empresas inativas são isentas das obrigações mensais, porém, não anuais. 

Empresas no Simples Nacional devem apresentar o repasse ao FGTS e à Previdência Social (SEFIP)  sem movimento no começo do ano-calendário. Além disso, é preciso entregar a  Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS) – antiga DASN e a Relação Anual de Informações Sociais “negativa” (RAIS NEGATIVA). 

Já empresas inativas no Lucro Presumido precisam apresentar a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) “negativa”, a RAIS negativa, a SEFIP, a Escrituração Contábil Digital (ECD), entre outras obrigações. 

Não sabe como cumprir as obrigações fiscais e contábeis da sua empresa inativa? A Contabilivre pode te ajudar, fale com nossos especialistas! 

Como deixar a empresa inativa na Receita Federal?

É importante deixar explícito que uma empresa não fica inativa apenas se você pausar  atividades e operações do seu negócio. Para deixar uma empresa inativa é preciso realizar uma alteração contratual, cabe ao dono decidir por quanto tempo ele deseja deixar a empresa nesse estado.  

Está com problemas relacionados ao CNPJ inativo? Contate nossos especialistas para te ajudar

Quanto tempo uma empresa pode ficar inativa?

O dono do negócio, ao realizar a alteração contratual da empresa, informa o tempo que o CNPJ deve ficar inativo. Uma empresa pode ficar inativa por um intervalo máximo de cinco anos antes de ter seu registro cancelado pelo órgão de registro. Ao final desse período ou se preferir antes, o empresário precisa fazer uma nova alteração no contrato comunicando o retorno das atividades.

Deixar a empresa inativa ou dar baixa no CNPJ: qual o mais vantajoso?

empresa inativa precisa de contador
Empresa inativa precisa de Contador? Saiba tudo sobre o assunto

A escolha mais vantajosa entre deixar a empresa inativa ou dar baixa no CNPJ vai depender dos planos que você tem em relação à empresa. Ambas as decisões trazem custos para o empreendedor, no entanto, se você tiver perspectiva de reativar a empresa pode ser mais vantajoso deixá-la inativa

Para dar baixa no CNPJ é preciso realizar a elaboração do distrato social e verificar algumas pendências no âmbito, federal, estadual e municipal

Além de ser necessário tomar cuidados que envolvem a  esfera trabalhista e previdenciária, como  rescisão contratual de acordo com legislação vigente, emissão da Certidão Negativa. Fora isso,  é necessário emitir o Certificado de Regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). 

Também faz parte do processo, registrar oficialmente na Junta Comercial o pedido de arquivamento de atos de extinção da empresa. 

O processo de baixa no CNPJ pode ser burocrático e demorado, mas a Contabilivre pode descomplicar alguns passos para você. Precisa dar baixa na sua empresa? Conte com nossos especialistas! 

Já para deixar a empresa inativa, como exposto acima, é preciso seguir algumas obrigações (obrigações essas que são simplificadas no estado inativo). O honorário, nesse caso, costuma ser mais em conta do que quando as atividades estavam ativas, por exemplo.

Como saber se a empresa ainda está ativa?

É possível consultar se seu CNPJ está ativo diretamente no site da Receita Federal. Tenha em mãos o número do CNPJ e, no portal, digite a informação no campo específico. Depois, basta clicar em “consultar” para visualizar a situação. 

Quais as consequências de não entregar as declarações necessárias?

A não apresentação das declarações e escriturações fiscais geram implicações para o contribuinte. O CNPJ pode ficar inapto, o que acarreta na impossibilidade do empresário participar de novas empresas,  os sócios são responsáveis pelos débitos em cobrança, entre outras problemáticas. 

Além disso, o não cumprimento das obrigações gera multas que variam entre R$ 200 e R$ 500, por declaração faltante. Caso você deseje reativar a empresa, é necessário colocar o empreendimento em dia, para isso, é feito um retroativo de todos os débitos. Motivos que já explicam o porquê empresa inativa precisa de contador.

Por que uma empresa inativa precisa de contador?

Como você pode perceber, empresa inativa precisa de contador, já que deve apresentar declarações e demonstrativos aos governos federal, estadual e municipal

As consequências causadas pelo não cumprimento das obrigações geram, muitas vezes, mais despesas para o lado do empreendedor do que a mensalidade cobrada por escritórios contábeis para providenciar declarações e demonstrativos e deixar sua empresa inativa sem pendências. 

Precisando de ajuda para apresentar as declarações e os demonstrativos da sua empresa inativa? A Contabilivre pode te ajudar a desburocratizar processos com a contabilidade online!

migre para a contabilivre


tendências de negócios 2021

Tendências de negócios 2021: Confira 4 ideias

Todo novo ciclo é uma oportunidade para tirar as ideias do papel. É verdade que as transformações causadas pela pandemia da Covid-19 marcaram um novo comportamento de compra do consumidor. Por isso, se você pensa em empreender neste ano, é importante se atentar às tendências de negócios 2021

E são, principalmente, em momentos de mudanças que é possível enxergar novas oportunidades de mercado. Sabemos que é difícil prever o futuro, mas é fácil perceber que hoje, por exemplo, o uso da tecnologia é necessário para qualquer tipo de empreendimento. E a partir desses comportamentos se faz entender as tendências que estão por vir. 

Antes de decidir qual empresa abrir, é importante considerar o cenário em que nossa sociedade está inserida. Pensando nisso, preparamos um conteúdo que pode te ajudar! Confira 4 ideias de negócio em alta para abrir em 2021. 

Mercado Fitness

Não é de hoje que muitos brasileiros têm investido em uma vida mais saudável. Porém, mais do que nunca, esses hábitos tendem a aumentar. 

Segundo levantamento do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas, a saúde aparece em primeiro lugar dentre as preocupações das famílias brasileiras no pós-pandemia

Um relatório interno do Google realizado com o objetivo de entender as mudanças dos hábitos da sociedade no contexto da pandemia apontou que realizar exercícios em casa está entre as atividades prioritárias do brasileiro

Por isso, se você está procurando um nicho para investir, apostar no mercado fitness pode ser uma boa opção. A área engloba diversas opções de empreendimento, e-commerce de itens para exercícios em casa, marmitas fitness, alimentação saudável no geral, treinos online e vendas de suplementos.  

Mas lembre-se: a presença do online, como em qualquer nicho, é fundamental para o sucesso do negócio. Com a digitalização, você consegue explorar ainda mais as oportunidades. 

Aqui na Contabilivre o processo de abertura é fácil, rápido, seguro e totalmente online. Saiba Mais!

E-commerces de materiais de escritório

Tendências  de negócios 2021
Tendências de negócios 2021: vendas online têm alta no novo cenário

De fato, os impactos da pandemia mudaram o comportamento de compra do consumidor e acelerou o processo de digitalização do comércio

No Brasil, o setor de e-commerce cresceu cerca de 47% no primeiro semestre de 2020, e as compras online têm tudo para continuar em alta, principalmente devido à praticidade do serviço. 

Para o lado do empreendedor, investir em um e-commerce é atrativo, principalmente pelo valor do investimento inicial. Dependendo do nicho e plataforma, é possível abrir uma loja online com cerca de R$ 1 mil. 

Além disso, no ambiente online, há a possibilidade de chegar ao cliente a um custo baixo, se comparado aos tradicionais estabelecimentos físicos.

Mas se você está se perguntando qual área seria interessante abrir um e-commerce, é preciso analisar um pouco mais a fundo. Pense bem, o home office se tornou realidade para empresas do país de forma repentina. Com isso, vendas de itens de materiais de escritório explodiram no ano de 2020. 

Mas o que era para ser uma prática passageira, pode se tornar realidade em um cenário pós-pandemia. Segundo o estudo “Tendências de Marketing e Tecnologia 2020: Humanidade Redefinida e os Novos Negócios” da FGV,  após o momento de crise, 30% das empresas pretendem adotar o home office. 

Sendo assim, o consumidor deve continuar investindo em um espaço bem equipado para trabalhar de casa e o setor tende a continuar aquecido nos próximos anos.

Tendências de negócios 2021: infoprodutos 

Os infoprodutos também têm tudo para continuar em alta em 2021. Como o nome indica, ele é um produto digital que abrange diversos formatos e áreas. Entre os exemplos, temos e-books e cursos em vídeo. 

Ainda de acordo com o relatório interno do Google, 18% dos usuários que participaram da pesquisa começaram um curso online novo no primeiro semestre do ano passado

A educação EAD é uma realidade que foi acelerada pelos impactos do ano de 2020. O setor se consolidou, uma vez que as pessoas viram que é possível estudar pelo computador. Os infoprodutos marcam a adaptação de negócios físicos para o digital. 

O comportamento de consumo abre uma oportunidade para abertura de empresas especializadas em vendas de infoprodutos. 

Delivery de comida 

O delivery de comida não podia ficar de fora da lista de tendências de negócios 2021. Embora o serviço já estivesse em crescente há algum tempo, durante o ano de 2020, a área teve um “boom” ainda maior

E o hábito de pedir comida para entregas tende a continuar no pós-pandemia devido à facilidade e conveniência que o serviço oferece. Segundo pesquisas, pessoas que não estavam acostumadas a usar o serviço criaram esse costume no ano de 2020 e pretendem mantê-lo.  

Além disso, com o surgimento da cozinha na nuvem, restaurantes criados para atender apenas a demanda dos aplicativos de entrega, o custo operacional do negócio é bem mais baixo se comparado a restaurantes com atendimento ao público. 

Um dos mais baixados aplicativos de delivery do país mapeou a mudança de comportamento do consumidor durante a pandemia, confira os 10 itens mais pedidos em restaurantes no brasil:

  1. Hambúrguer
  2. Comida japonesa 
  3. Pizza 
  4. Comida tradicional brasileira
  5. Grelhados
  6. Padarias
  7. Sobremesas
  8. Comida Italiana
  9. Comida saudável
  10. Comida árabe 

Se você pensa em investir em um delivery de comida, pode ser uma boa escolher um desses nichos. 

Mas, afinal, como abrir uma empresa? 

Abrir o próprio negócio é o sonho de muitos brasileiros, mas já nos primeiros passos para formalizar a empresa é comum esbarrar em algumas burocracias

Antes mesmo de selecionar os documentos de abertura de uma empresa, é preciso verificar se o local pretendido permite o exercício da sua atividade. Outro ponto importante é apurar se o nome da empresa que você quer abrir está disponível.

Em seguida, está na hora de elaborar o Contrato Social. O documento deve constar as informações mais importantes da empresa, como o objetivo, o ramo de atuação da empresa (comércio, indústria ou serviço), os aspectos societários e a formação do capital social.

Para elaborar o contrato social, você precisará da ajuda de um contador, o profissional te orientará a tomar as melhores decisões e evitar problemas futuros. Informações preenchidas erradas podem atrasar a finalização do processo. 

Feito isso, é preciso realizar o registro da sua empresa na Junta Comercial, o processo envolve detalhes como definir o porte da empresa, capital social e planejamento. Depois, o empresário deve cadastrar a empresa no CNPJ e registrá-la como contribuinte. 

Negócios abertos à circulação do público ainda precisam do alvará de funcionamento. 

Empresas que promovem circulação de mercadorias, prestam serviços de comunicação ou telecomunicação ou realizam atividades de transporte intermunicipal ou interestadual devem obter também a inscrição estadual

Um ponto obrigatório para todas as empresas é realizar o registro na Previdência Social. O estágio final para legalizar a sua empresa é obter a autorização para emitir notas fiscais. 

Para quem deseja abrir uma empresa como MEI, o processo todo online é simplificado, sendo possível fazer o procedimento pelo Portal do Empreendedor-MEI.

Já empresários que querem abrir micro e pequenas empresas vão precisar do auxílio de um contador para o processo. A Contabilivre é especialista em Abrir Micro e Pequenas Empresas de Serviço e Comércio, por isso, você pode contar com os nossos especialistas para te ajudar!

conheça a contabilivre


empreendedorismo e contabilidade

Empreendedorismo e contabilidade: veja como o serviço pode ajudar o seu negócio

O início de um novo negócio vem repleto de desafios: atendimento ao cliente, manter seu serviço e/ou produto, além das preocupações administrativas financeiras. A margem de lucro e burocracias do setor também se tornam motivos de noites mal dormidas. E é nesse momento que empreendedorismo e contabilidade precisam andar juntos!

Diante dos desafios iniciais para seu negócio funcionar, o apoio de um escritório de contabilidade é um pilar fundamental. Além disso, nada como quem entende e te ajuda no crescimento do seu negócio, não é?

Pensando em te mostrar a importância do serviço na rotina da sua empresa, preparamos um conteúdo exclusivo para ajudar o seu negócio!

Meu negócio precisa de contabilidade?

Com exceção de MEIs, a contabilidade é um serviço obrigatório em todas as empresas, uma vez que o cumprimento das obrigações tributárias é essencial para que seu negócio cumpra a lei e se mantenha em situação regular junto ao Fisco

E, caso não aconteça, a pendência pode ocasionar inadimplência e, consequentemente, multas para o seu negócio.

Por isso, contratar um serviço contábil qualificado para essa função é de muita importância, assim, seu empreendimento terá um crescimento saudável e se manterá juridicamente legal

Além disso, alguns documentos contábeis como balanços e balancetes devem, obrigatoriamente, ser registrados pelo conselho da classe. Imagina dever um documento obrigatório por não ter um contador?

Vale lembrar que as empresas podem optar por contratar contadores ou escritórios de contabilidade para auxiliar no cumprimento das obrigações.

Não quer passar por isso? Conheça a Contabilivre e descubra como podemos te ajudar!

botão para contato da home do site

Qual a função da contabilidade?

Indiferente do tamanho do seu negócio, sua empresa precisa prestar contas ao governo. Além dos impostos, alguns documentos e informações são necessários para que você mantenha seu empreendimento de portas abertas. 

Auditoria, seguro, previdência e controladoria também são algumas das funções que englobam os serviços contábeis. Para entender melhor como a contabilidade pode auxiliar  o seu negócio, separamos alguns serviços desempenhados.

Empreendedorismo e contabilidade: como o serviço pode ajudar o meu negócio?

Além de deixar o seu negócio regularizado, a contabilidade faz com que sua empresa esteja mais segura e eficiente. Com exceção dos Microempreendedores Individuais (MEI), sua empresa precisa do serviço de contabilidade e, agora, listamos os porquês. 

empreendedorismo e contabilidade
O serviço de contabilidade auxilia a rotina fiscal e administrativa de uma empresa

Abertura da empresa

Até mesmo para abrir o seu negócio você precisará do auxílio dos serviços contábeis. Isso porque o processo para abertura de empresa envolve detalhes, como definição do porte,  capital social, CNAEs, regime de tributação e registro na junta comercial.

E além da contabilidade ajudar você a escolher essas particularidades, o serviço contábil providencia os documentos necessários para você abrir sua empresa. 

Gestão e planejamento financeiro

A rotina contábil de uma empresa engloba análises financeiras que envolvem realização de balanços, demonstração de resultados, controle de caixa, margem de lucro e administração de bens.

A partir de relatórios, o contador administra todas essas informações, que não são apenas para exigências legais, mas também essenciais para o futuro da empresa.

O apoio de um contador é imprescindível para a saúde financeira da sua empresa. Saiba como a Contabilivre pode te ajudar!

Equilíbrio financeiro

Com cálculos mais confiáveis dos pagamentos e obrigações da empresa, junto ao acompanhamento da margem de lucro, sua empresa pode manter uma saúde financeira muito mais equilibrada, podendo ter perspectivas de crescimento e estabilidade para momentos de crise. 

Regime de tributação para pequenas empresas

Toda empresa precisa pagar impostos para manter o negócio legalizado. MEs e EPPs podem optar por três regimes de tributação, são eles Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real. 

O Simples Nacional é administrado pela Receita Federal, mais o ICMS e o ISS e norteado por leis vigentes desde 2007. Esse regime tributário simplifica a apuração dos valores e recolhe através de uma única guia

Mas, mesmo que seja um regime tributário de facilitação, a necessidade de avaliação de alíquota de impostos, a partir da atividade da sua empresa ainda é necessária. E aqui o seu parceiro contador pode te ajudar!

Já o Lucro Presumido, como o nome indica, é determinado pelo percentual da margem de lucro presumida definido pela legislação. Nessa opção, os impostos são recolhidos em guias individuais, tornando a arrecadação mais complexa do que o Simples Nacional, por exemplo. 

Temos também o Lucro Real, que apesar de ser um regime mais complexo, dependendo do cenário da sua empresa, nele, seu negócio pode acabar pagando um valor total menor referente aos impostos devido a sua configuração

Atenção! Para a sua empresa optar pelo Simples Nacional, é necessário consultar se sua atividade é permitida e se seu negócio tem o faturamento teto. Hoje, ainda existem algumas restrições e modelos empresariais que impossibilita a inclusão no regime.

Como escolher o melhor regime de tributação

O uso da contabilidade para auxiliar na escolha do melhor regime tributário da sua empresa é fundamental, isso porque o contador realiza uma análise tributária. A pesquisa consiste em cálculos de faturamentos, obrigações fiscais e despesas.

Com isso, o profissional consegue identificar em qual regime o seu negócio paga um valor total de impostos menor, ou seja, juntos, vocês podem optar pelo modelo mais vantajoso. 

Precisa do apoio de um consultor para identificar qual o melhor regime tributário para sua empresa? Clique aqui e saiba mais!

Obrigações fiscais para pequenas empresas 

A rotina fiscal de uma empresa engloba uma série de obrigações fiscais. Se você está empreendendo e começando o seu negócio, a contabilidade deve ser sua preocupação. Por isso, listamos as principais obrigações fiscais para pequenos negócios.

  • ICMS

O ICMS é o imposto correspondente à circulação de mercadorias e prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e comunicação. É competência estadual a sua cobrança e instituição de valores. 

  • IRPJ

O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é uma tributação federal obrigatória a todos que possuem CNPJ ativo, no caso de exceções, consulte seu contador.

  • Contribuição para o PIS/Pasep;

Corresponde a contribuição realizada à Previdência Social, referente ao pagamento do Seguro Desemprego e abono anual.

  • ISS

É o Imposto Sobre Serviços (ISS) que corresponde àqueles que incidem na prestação de serviços realizadas por empresas ou profissionais autônomos e de nível municipal

  • IPI

Uma tributação federal e arrecadado para o tesouro nacional. O Imposto sobre Produtos Industrializados é cobrado a partir do momento que o produto sai da fábrica e abrange produção nacional e importações.

  • COFINS

A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Nacional é uma contribuição de nível federal, que incide sobre a receita bruta, que é direcionada à previdência social, saúde e assistência social.

  • CPP

A Contribuição Patronal Previdenciária é outro imposto destinado à previdência social, porém é calculado a partir da remuneração total concedida aos colaboradores. 

  • CSLL

Incidido sobre o lucro líquido, a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é uma tributação federal que antecede o Imposto de Renda.

Como organizar e cumprir todas as obrigações da minha empresa

Empreender não é fácil. Por isso, a organização contábil é um tópico para você se atentar. Algumas rotinas como conciliação bancária, integração em softwares, auditorias, controle em planilhas e desenvolvimento de planejamento das despesas podem te ajudar a tornar esse processo mais fácil.

Reduza os custos e aumente a produtividade contábil da sua empresa contratando um especialista, aposte em um planejamento organizado e com responsáveis pelas demandas fiscais. 

Parece bem difícil, mas a Contabilivre está aqui para te ajudar! Saiba como desburocratizar processos, gerando economia e agilidade com a contabilidade online!

Botão para o site da Contabilivre.
Conheça e faça parte

Como calcular o DSR

Como calcular o DSR? Tire suas dúvidas sobre o assunto

Profissionais que seguem o regime CLT têm direito ao Descanso Semanal Remunerado (DSR). Apesar de conhecido, o benefício referente a essa demanda ainda gera dúvidas por parte do empregador, principalmente, no que diz respeito a como calcular o DSR

O dia de folga é um momento muito aguardado pelos trabalhadores. Afinal, o descanso é fundamental para recuperação física e mental dos profissionais de todas as áreas. De maneira geral, o DSR é o valor que assabe empresas pagam para os empregadores terem um dia de descanso adequado. 

E se você tem dúvidas sobre o direito e quer saber como calcular o DSR, confira o conteúdo que a Contabilivre preparou a seguir. 

O que é o DSR?

O DSR é a sigla usada para definir o termo Descanso Semanal Remunerado. O intervalo intersemanal é direito de trabalhadores urbanos e rurais que seguem o regime CLT

Criada na década de 40, a lei 605/1949 confere o repouso remunerado e tem ênfase no artigo 7º, inciso XV da Constituição Federal de 1988, como um direito fundamental do trabalhador

LEI Nº 605, DE 5 DE JANEIRO DE 1949. “Art. 1º Todo empregado tem direito ao repouso semanal remunerado de vinte e quatro horas consecutivas, preferentemente aos domingos e, nos limites das exigências técnicas das empresas, nos feriados civis e religiosos, de acordo com a tradição local.”

Embora a lei expresse preferência em condicionar o repouso aos domingos, as diversas modalidades de trabalho permitem que o descanso possa ser oferecido em qualquer dia da semana. Dependendo da atividade exercida, ainda há uma flexibilização e diferença nas regras. 

Como funciona o DSR?

A lei diz que após seis dias consecutivos de trabalho, o colaborador adquire o direito de usufruir, no sétimo dia, o descanso semanal remunerado por um prazo mínimo de 24 horas

Lembrando que o descanso pode ser concedido antes do sétimo dia, porém, o empregador não deve disponibilizar a folga após esse período. Nessa hipótese, o empresário pode receber multas e outras consequências. 

O descanso deve ocorrer preferencialmente aos domingos, no entanto, sabemos que alguns empreendimentos, principalmente comércio varejista e serviços de saúde, funcionam aos finais de semana. 

A prática é permitida por lei, no entanto, nesse caso, o empregador deve realizar um sistema de escala de revezamento, tendo como objetivo conceder o descanso semanal remunerado ao trabalhador pelo menos por um domingo ao mês. Assim, é garantido aos colaboradores o repouso dominical dentro dessa escala. 

como calcular o dsr
O DSR é um direito que visa conceder descanso adequado aos trabalhadores

Quem tem direito a receber o DSR?

Todos os trabalhadores sujeitos ao regime da CLT, sejam eles mensalistas, horistas ou comissionistas. 

Importante também ressaltar que, para o colaborador ter direito ao DSR, ele precisa cumprir dois requisitos. Um deles se refere à frequência, ou seja, durante a semana que antecede o descanso remunerado, o trabalhador não pode possuir faltas injustificadas

Outro ponto diz respeito à pontualidade, o colaborador possui um limite de 10 minutos diários de tolerância em caso de atraso, sendo cinco minutos no início do expediente e os outros cinco durante as pausas.

Caso o profissional não cumpra esses requisitos, ele ainda tem direito ao dia de descanso, porém, perderá a remuneração referente ao DSR

Não sabe quais direitos trabalhistas sua empresa precisa seguir? A Contabilivre é responsável pela elaboração da folha de pagamento e outros documentos dessa natureza. Saiba como podemos te ajudar! 

O que são faltas justificadas?

Todas as faltas justificadas estão previstas no Art. 473 da CLT. Elas consistem em ausências com uma previsão legal, por exemplo, um atestado médico, certidão de óbito de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente ou irmãos, certidão de casamento, doação voluntária de sangue (por um dia a cada 12 meses).

Além disso, são consideradas faltas justificadas para o fim de se alistar eleitor, ingressar em estabelecimento de ensino superior (prestar vestibular) e acompanhar filho de até seis anos em consulta médica (um dia por ano). Lembrando que todas as situações precisam ser devidamente comprovadas. 

E colaboradores com contrato de trabalho do tipo 12×36?

A reforma trabalhista de 2017 estabeleceu que o contrato na qual o funcionário trabalha por 12 horas seguidas e folga as 36 horas seguintes tirou a possibilidade de receber pelo descanso semanal remunerado. A regra entende que as 36 horas disponibilizadas já são necessárias para assegurar um descanso adequado ao empregador. 

Como calcular o DSR?

As regras para o cálculo do DSR apresentam variações de acordo com as modalidades. Além disso, é preciso levar em consideração que horas extras habitualmente prestadas refletem no cálculo do descanso semanal remunerado.

Por outro lado, não são usados como base de cálculo do descanso semanal remunerado gorjetas e gratificação por tempo de serviço e produtividade. 

Confira como calcular o DSR para as diferentes modalidades:

Mensalistas

O DSR de trabalhadores mensalistas está englobado no salário do colaborador. Mas caso você queira saber quanto desse valor é destinado ao descanso, basta multiplicar o salário (incluir hora extra) pelo número total de descansos no mês. 

Em seguida, basta dividir pelo número de dias úteis. Lembrando que sábado é considerado dia útil. 

Vamos ao exemplo de um trabalhador que recebe um salário de R$ 2 mil. Em um mês, com 25 dias úteis e quatro dias não úteis, temos:

DSR = (salário recebido x número total de descansos no mês) / número dias úteis por mês

DSR = 2.000 x 4 / 25 

Portanto, o Descanso Semanal Remunerado, nesse caso, é de  R$ 320. 

Horistas

Para trabalhadores horistas, o cálculo do descanso é feito com base no valor do sálario-hora. Em outro exemplo, um profissional que ganhe R$ 15/hora e trabalhe 200 horas por mês tem o salário de R$ 3 mil. 

Você também precisará olhar quantos dias úteis esse profissional trabalhou por mês e, depois, anotar quantos dias não úteis (domingos e feriados) tem no calendário. 

Dessa forma, em um mês com quatro dias de descanso e 26 dias úteis, temos:

DSR =  (salário recebido x número total de DSR’s no mês) / número de dias úteis do mês

DSR = 3 mil x 4 / 26

Assim, o valor do DSR, nesse caso, é de R$ 461, 53

Comissionistas 

O profissional comissionista puro, isso é, que recebe seu salário de forma variável, dependendo das comissões do mês também tem direito ao DSR. 

Para realizar o cálculo dessa categoria, basta somar o valor de todas as comissões recebidas em um mês, dividir pelo número de dias úteis no mês e multiplicar o resultado pelo número de dias de descanso desse período. 

Qual a importância de saber como calcular o DSR? 

O repouso constitui uma norma de saúde, medicina e segurança do trabalho. A ação não só visa conceder ao colaborador um período de descanso, após cumprir o período da sua jornada semanal de trabalho, como também oportunizar um momento de socialização com a sua família e amigos

O não pagamento do Descanso Semanal Remunerado implica em multas elevadas para o empregador, geralmente arbitradas judicialmente. Sendo assim, é de extrema importância ficar atento às normas da CLT.

A Contabilivre conta com uma equipe de profissionais especializados para te orientar e tratar esse e diversos outros assuntos com facilidade, segurança e cumprimento dos prazos legais.

botão para contato para o que é previsão de demanda
Decore

Decore: qual a importância do documento? Confira

É verdade que holerites não fazem parte da rotina de empresários. Porém, em algum momento, Microempreendedores individuais, sócios de Micro Empresas e profissionais liberais precisam comprovar sua renda. Para isso, existe a Decore

A declaração de emissão rápida serve como comprovante de renda para MEIs, para profissionais que não seguem o regime CLT e sócios de empresas (somente pessoa física). O registro é necessário para locar um imóvel, comprar um veículo, fazer aberturas de contas, obter crédito pessoal e realizar qualquer tipo de financiamento. 

Para os empresários, a Decore comprova o valor de retirada do pró-labore, que se assemelha ao salário do dono do negócio. 

Embora a emissão da declaração seja um processo simples, o contador precisa de informações e documentos relativos aos rendimentos do empresário ou do profissional para conseguir realizar a emissão do documento.

Devido à importância do registro, a Contabilivre preparou um conteúdo com tudo o que você precisa saber sobre a Decore. Confira a seguir! 

O que é Decore e para que serve? 

Decore é a sigla para Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimento. O documento contábil foi criado para atender a necessidade que empresários e profissionais liberais têm em comprovar a renda em diversas negociações financeiras

Voltada para pessoas que não estão submetidas ao regime de trabalho CLT, a declaração é exigida quando empresários e autônomos precisam, no geral, comprovar renda para algum órgão ou instituição, seja para comprar um carro, um imóvel, emitir um visto ou obter algum tipo de crédito.

Quem pode utilizar a Decore? 

A Decore pode ser utilizada para comprovar a renda de profissionais liberais, autônomos, bolsistas, microempreendedores individuais e empresários que realizam suas retiradas por meio do sistema de pró-labore ou dividendos. 

Sendo assim, diversos grupos têm direito a usar a declaração comprobatória, são eles: advogados, médicos, dentistas, fotógrafos, pesquisadores, cantores, comerciantes formais e tantos outros profissionais

Lembrando que todos trabalhadores devem comprovar os recebimentos e as incidências sobre os valores

Quem pode emitir a Decore?

Apenas profissionais de contabilidade em situação regular junto ao Conselho Regional de Contabilidade (CRC) que possuem a Declaração de Habilitação Profissional (DHP) estão autorizados a emitir a Decore. 

Para realizar a ação, o contador precisa seguir a regra normativa do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), que exige anexar documentos que comprovem a origem do rendimento no preenchimento da Decore. 

Vale ressaltar que o documento só tem validade com o selo DHP fixado no corpo da declaração, e é válido no período de 90 dias após a emissão.

Precisando de um Decore? Fale com nossos especialistas e saiba o que a Contabilivre pode fazer por você! 

Como a Decore é transmitida? 

A Decore é transmitida de forma online diretamente no portal do profissional contábil dentro do site do CFC. Os documentos legais que serviram de garantia para a emissão da Decore ficam sob a responsabilidade do contador que emitiu a declaração por cinco anos, para fins de fiscalização do CRC.

É muito importante que toda contabilidade esteja correta. Uma vez enviada a declaração, não é possível que ela seja retificada ou cancelada. No entanto, caso algum dado seja enviado de forma equivocada, seja por parte do cliente ou do contador, a alternativa é indicar o erro no portal, anulando, assim, o efeito comprobatório. 

decore
A Decore serve como comprovante de renda para MEIS, profissionais liberais e sócios de empresas

Quais documentos comprobatórios necessários para conseguir um Decore?

Os documentos para comprovação variam de acordo com a atividade do profissional. No geral, eles devem mostrar a origem do seu rendimento. 

Para  Microempreendedores Individuais

Microempreendedores Individuais, por exemplo, precisam apresentar as notas fiscais emitidas junto à Declaração Anual do MEI ou disponibilizar o livro caixa, documento que possui os registros de entradas e saídas de dinheiro. 

Para profissionais liberais e autônomos

Já profissionais liberais e autônomos devem realizar o recolhimento do carnê-leão (forma de recolhimento mensal obrigatório do imposto de renda de pessoas físicas). Além disso, é preciso ter o livro caixa com as receitas mensais para o contador conseguir calcular o valor final do imposto que tem a pagar. 

Também é preciso anexar a Guia de recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e de Informações à Previdência Social (GFIP), com comprovante de sua transmissão. 

Para empresários não enquadrados como MEIs

Donos e sócios de empresas (pessoas físicas) podem retirar a Decore por Pró-Labore ou por distribuição de lucros:  

Pró-Labore

O empresário precisa apresentar os termos de Abertura e de Encerramento do Livro Diário, lançamentos referentes ao pró-labore e a GFIP com comprovação de sua transmissão

Distribuição de lucros

Nesse caso, o empresário apresenta o Livro Diário da contabilidade. Dessa forma, é usado a distribuição de lucros como comprovante de rendimentos. 

A Decore pode ser utilizada para comprovar renda em dois locais distintos?

É muito importante salientar que a Decore é elaborada para finalidades específicas. Sendo assim, a declaração não pode ser utilizada para comprovar renda em dois locais distintos. O contador, ao realizar a emissão no portal, precisa informar o CNPJ da empresa que solicitou a comprovação. 

Mas, afinal, qual a importância da Decore?

A Decore é uma declaração comprobatória, sendo assim, é um documento que diversas instituições financeiras, de ensino e até mesmo órgãos públicos pedem para comprovar a renda de profissionais que não seguem o regime trabalhista CLT. 

Em diversas negociações, precisamos comprovar nossa renda, seja para abrir uma conta do banco ou contratar empréstimos e cartões de crédito. Além disso, a Decore é necessária para realizar financiamentos estudantis e realizar consórcios. Ou seja, quase toda negociação financeira exige a declaração. 

Só é possível comprovar renda por meio da Decore?

A Decore é o documento oficial de comprovação de renda de profissionais liberais e empresários. No entanto, em alguns casos, os bancos e outros requerentes aceitam a comprovação de rendimento por meio do imposto de renda, registros do pró-labore e distribuição de lucro no Livro Diário e a demonstração contábil do balanço patrimonial. 

Faça seu Decore na Contabilivre!

Sem documentação probante, o contador não deve emitir a Decore. Uma declaração falsa resulta em problemas para o profissional contábil e a pessoa que solicitou o documento de comprovação. 

Normalmente, a Decore é feita por um contador que tem conhecimento sobre a sua vida financeira ou a da sua empresa, já que ele vai documentar informações sobre o seu negócio. 

A declaração nada mais é do que o resultado de uma organização financeira durante um período de tempo. 

Por isso, é muito importante que profissionais liberais e empresários que tenham planos de comprar um imóvel ou carro, contratar um empréstimo ou comprovar renda por outro motivo, durante os próximos meses, comece a organizar os documentos com antecedência junto ao seu contador.

A Decore é o resultado da vida financeira e contábil da sua empresa ou dos serviços que você presta. 

Agora que você já sabe a importância de ter um Decore, aproveite e contate a Contabilivre para te ajudar na emissão desse documento!

botão para contabilivre do conteúdo de elisão fiscal


equipe engajada

Como deixar a equipe engajada? Confira 4 dicas para colocar em prática

Ter uma equipe engajada é fundamental para o sucesso da empresa. Afinal, colaboradores motivados tem uma alta produtividade, possuem objetivos bem estruturados e estão comprometidos em alcançar as metas da organização

Com a competitividade do mercado, mais do que nunca, o comprometimento e as atitudes dos colaboradores estão ligados ao crescimento da empresa. Mas sabemos que manter os talentos motivados nem sempre é uma tarefa fácil e isso pode ser um desafio para as lideranças.

Por isso, a Contabilivre preparou um conteúdo com dicas para que as lideranças da empresa consigam deixar sua equipe engajada. Acompanhe! 

Como deixar a equipe engajada? 

O ser humano, naturalmente, quer fazer parte de um propósito. Como podemos perceber, as pessoas se engajam em coisas que têm valor para elas, pode ser uma causa social, por exemplo, ou um projeto pessoal. 

O engajamento está relacionado à intensidade em que os colaboradores estão envolvidos e entusiasmados com as atividades profissionais desempenhadas dentro de uma organização. É importante entender que essa relação é emocional e, para conseguir comprometer as pessoas, é preciso mexer com a emoção delas

Sendo assim, se você quer que seus colaboradores se comprometam e permaneçam motivados, é preciso, antes de mais nada, oferecer uma missão na qual sua equipe possa fazer parte da transformação e se sentir realizada com as conquistas alcançadas.

Para se manter motivado, o colaborador deve encontrar, na organização, um projeto com oportunidade de crescimento, com missão e objetivos definidos para que, assim, o trabalho possa ser feito com compromisso. 

Mas como conseguir tudo isso? Confira alguns insights que podem te ajudar! 

Defina a missão e os objetivos da sua empresa 

Você já parou para pensar quais as causas que a sua organização defende? Empresas de todos os portes, especialmente as que estão nascendo ou micro e pequenas, precisam definir a missão e os objetivos. 

Isso porque, com esses pontos estabelecidos, o empreendedor e o colaborador são capazes de entender o papel do seu trabalho na sociedade e no futuro da empresa. Assim, o dono do negócio, além de estruturar a direção estratégica da organização, consegue engajar sua equipe

Como definir a missão e os objetivos da sua empresa?

O primeiro passo para definir a missão e os objetivos da sua empresa é responder às seguintes perguntas

  1. Qual o principal benefício que sua organização oferece ao seu público-alvo? 
  2. Na sua opinião, qual o diferencial competitivo que distingue os serviços ou produtos de outras organizações do seu ramo?
  3. Seus colaboradores se identificam com os interesses da organização? 

Em seguida, elabore uma frase curta que transmita essas respostas. É muito importante que as questões definidas façam parte do dia a dia da organização. 

Outro ponto crucial é que seus colaboradores se identifiquem com a missão e os objetivos da empresa. Tendo em vista que uma equipe caminhando em prol de um mesmo propósito apresenta mais vontade de alcançar os objetivos

E se a sua empresa não apresenta objetivos e missão definidos é muito difícil que os colaboradores entendam o propósito do trabalho. Agora te perguntamos: qual a missão da sua empresa?

equipe engajada
Saiba algumas formas de deixar sua equipe engajada

Valorize seu colaborador 

Valorizar o colaborador vai muito além de oferecer um bom salário, isso é, a empresa precisa investir em seus talentos continuamente. Essa valorização pode ser demonstrada de diversas formas e até elogios depois de um bom trabalho, podem fazer a diferença. Afinal, reconhecer o empenho do colaborador é fundamental para manter a equipe motivada

Realizar eventos de confraternização, treinamentos e palestras motivacionais também são maneiras de valorizar os profissionais. Assim, eles podem ver que a empresa investe neles, e não apenas tira a capacidade de trabalho. E é claro, você pode adaptar as ações de acordo com a realidade e tamanho da sua empresa.

Independente do quadro de funcionários da sua organização, não esqueça de reservar um tempo para agradecer quem colabora diariamente com o seu negócio

Comunicação eficaz 

É muito importante ter em mente a seguinte concepção: você não vai conseguir gerenciar segredos. Para que você consiga envolver sua equipe, mantenha uma comunicação eficaz, sempre se certificando de que os colaboradores entenderam o que você quis informar.

Outro ponto fundamental é conseguir realizar reuniões na medida certa. Em momentos de imprevistos e dificuldades, tente chegar nesses encontros com algumas possíveis soluções para serem debatidas. 

É essencial também criar um espaço no qual eles possam se expressar dando oportunidade para   participarem do diálogo que busca resolver os problemas. É importante que as opiniões deles sejam ouvidas. 

Dessa forma, os profissionais percebem que, de fato, fazem parte da organização. E não se esqueça: um bom líder assume as responsabilidades quando necessário.

Modele os processos do seu negócio

A modelagem de processos é um recurso usado para entender os fluxos de trabalho da empresa. Por meio da atividade, é possível analisar falhas e problemas dos processos organizacionais para, assim, melhorar e simplificar as tarefas dos colaboradores.

Pense bem, quando todas as tarefas estão alinhadas, as demandas são divididas de forma correta, não sobrecarregando nenhum profissional. Além disso, ao modelar os processos, algumas tarefas desnecessárias podem ser eliminadas da rotina operacional, diminuindo, assim, o cansaço físico e mental dos seus colaboradores.

Dessa forma, os profissionais tendem a alcançar melhores níveis de produtividade, podem alinhar metas e ter mais comprometimento no trabalho. 

Importância de uma equipe engajada 

Note que, com colaboradores engajados, o seu negócio pode ir além de fabricar e vender um produto ou disponibilizar um serviço. Mas sim, oferecer soluções aos seus clientes. Para isso, o trabalho precisa ser mais do que uma fonte de renda, precisa ser um local agradável e de realização pessoal e profissional.

Ter uma equipe engajada é ter um time que põe esforço e comprometimento nas ações desempenhadas dentro da organização, independente do tamanho da empresa. Vibra junto aos empresários e “veste a camisa”. 

Sabemos que sozinho não dá para ir muito longe, se você tem uma equipe, não deixe de envolvê-las. Faça os colaboradores trabalharem em prol do mesmo objetivo, descubra como eles podem se identificar com o propósito da organização. 

Quanto maior for o engajamento dos profissionais, maior será o comprometimento com o sucesso da empresa e com os resultados positivos.

Agora que você já sabe como deixar sua equipe engajada e ter sucesso no gerenciamento do seu negócio, aproveite para simplificar a rotina contábil da sua empresa com a Contabilivre! 

botão para contato para o que é previsão de demanda


diferenças entre MEI e ME

Quais as diferenças entre MEI e ME?

Definir o porte da empresa é um elemento fundamental para empreendedores.  Mas quando o negócio cresce, em muitos casos, é preciso alterar a categoria para evitar multas e perdas de benefícios. Para você saber em qual tipo de classificação o seu empreendimento se enquadra é preciso entender antes quais as diferenças entre MEI e ME

O porte da empresa é estabelecido com base no faturamento anual, nas atividades exercidas e no número de funcionários. Dentre as diversas opções que o seu negócio pode se enquadrar, duas categorias se destacam: a de Microempreendedor Individual e a das Microempresas

Mas tantos nomes e siglas semelhantes podem gerar algumas confusões. Por isso, a Contabilivre preparou um texto para você entender as principais características dessas duas categorias.

Impacto de MEIs e MEs no mercado

Abrir um negócio é o sonho de muitos brasileiros. Uma pesquisa conduzida pela OnePoll com mil participantes apontou que 77% dos entrevistados sonham em empreender. Ser Microempreendedor Individual ou abrir uma Microempresa são algumas formas de ter um negócio formalizado no país. 

E os números podem provar! Segundo o Portal do Empreendedor, o Brasil conta com 10 milhões de pessoas jurídicas registradas como MEI e cerca de 4 milhões de MEs

Diferenças entre MEI e ME
Quais as diferenças entre MEI e ME? Saiba qual a melhor categoria para o seu negócio

Como funciona o MEI?

O MEI é uma pessoa jurídica ou cidadão que trabalha por conta própria e está legalizado como pequeno empresário. A regularização foi desenvolvida a fim de enquadrar microempresas com características em comum e poder formalizar trabalhadores brasileiros que executam diversas atividades. 

Entre os benefícios da formalização podemos citar elementos de segurança jurídica e amparo legal, como: aposentadoria, auxílio doença, auxílio maternidade, facilidade na abertura de contas e emissão de notas fiscais

A categoria engloba mais de 400 atividades econômicas, sendo elas as mais diversas, como: cabeleireiro, cantor, comerciante, pequenas confecções, fábricas de salgados, entre outras. 

Para ser MEI, é preciso pagar um valor referente às contribuições mensais destinadas à Previdência Social, ao ICMS e ao ISS. O aporte do INSS está fixado em 5% do salário mínimo. Já os custos relacionados aos impostos variam dependendo da atividade realizada pelo MEI (comércio, indústria ou serviço). 

No geral, a contribuição varia entre $ 53,25 e R$ 58,25, mas esses valores sofrem pequenos ajustes, anualmente, devido às mudanças do valor do salário mínimo. 

Além disso, o empresário não pode ser titular, sócio ou administrador de outra empresa para poder se registrar como microempreendedor individual. 

Como funciona o ME?

O porte de empresa ME, normalmente, é regido pela Lei Geral de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, trazendo segurança e benefícios para os empreendedores que possuem esse tipo de negócio. 

Existem algumas características que compõem essa classe, por exemplo, é preciso optar por um dos regimes de tributação (Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido) e realizar o registro em uma Junta Comercial, órgão que tem responsabilidade pelo registro de atividades referentes às sociedades empresariais. 

Os benefícios desse porte de empresa consistem em obter vantagens nos processos licitatórios e linhas de créditos de forma mais simples. Além disso, os processos burocráticos, como pagamento de impostos, obrigações previdenciárias e trabalhistas são simplificados.

Microempresas não apresentam restrições de atividades, mas assim como o MEI, essa categoria apresenta algumas características próprias que você pode acompanhar no próximo tópico. 

Mas, afinal, quais as principais diferenças entre MEI e ME? 

Faturamento

O faturamento é um dos elementos usados para definir o porte da empresa e se configura com uma das principais diferenças entre MEI e ME. O teto de faturamento do Microempreendedor Individual é de R$ 81 mil por ano. Já para ser enquadrado com uma Microempresa, o negócio deve ter receita bruta anual inferior ou igual a R$ 360 mil

Gestão contábil

Com exceção de MEIs, todas as empresas precisam de um contador. A regra, regida por lei, obriga empresários e sociedades empresárias a seguir um sistema de contabilidade.

Por isso, as Microempresas precisam realizar a escrituração contábil e fiscal, sendo, notas fiscais, recibos, movimentações bancárias, Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultado do Exercícios, entrega de declarações obrigatórias, entre outros.

São os profissionais contábeis, legalmente habilitados com registro no CRC que ficam responsáveis pela escrituração contábil do negócio, um documento que conta com todos os registros dos fatos que ocorrem na empresa. 

MEis são isentos da obrigatoriedade porque pagam impostos com contribuições fixas mensais, independente do faturamento (não ultrapassando o limite anual de R$ 81 mil).

Já a carga tributária das Microempresas é definida de acordo com o faturamento e CNAE (atividade econômica exercida). 

Regime tributário 

O regime tributário também é um fator que determina a classificação do porte da empresa. MEIs seguem o Regime especial do Simples Nacional (SIMEI), a declaração define o pagamento de 5% do valor do salário mínimo por mês. A categoria é isenta de tributos fiscais federais, como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica, PIS, Cofins, IPI e CSLL. 

Para MEs, a legislação brasileira oferece três opções principais de regime tributário, são eles: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. O faturamento da empresa e o ramo da atividade são os elementos que definem qual regime a empresa deve se enquadrar. 

Cada regime apresenta diferentes impostos, faixas e porcentagens que aumentam progressivamente conforme o faturamento cresce.

O Simples Nacional, por exemplo, é composto por cinco anexos, separados por tipos de atividades exercidas, nos quais são discriminados as alíquotas a deduzir por cada empresa, conforme a sua faixa de faturamento.

Para identificar qual o tipo mais vantajoso para sua empresa, é preciso analisar os números junto ao seu contador. A escolha é feita levando em consideração as informações financeiras e contábeis do seu negócio e as isenções fiscais que seu produto ou serviço apresenta. 

Quer saber como  identificar qual o melhor regime para a sua empresa? Entre em contato com a Contabilivre e nossos profissionais te ajudarão

Funcionários 

O número de funcionários também é um fator que diferencia as categorias. Microempreendedores Individuais podem ter o número limitado de apenas um funcionário. Já as Microempresas têm permissão para ter até nove colaboradores no setor de comércio e serviços e até 19 funcionários no setor da indústria

Quando vale a pena migrar de MEI para ME?

A migração de MEI para ME ocorre quando a empresa não se encaixa mais nos requisitos de classificação do programa, seja por ultrapassar o teto do faturamento anual, por não se enquadrar nas atividades permitidas ou porque precisa contratar mais de um funcionário. 

Se você precisa migrar de MEI para ME, essa pode ser uma ótima notícia. Porque, provavelmente, isso deve significar que o seu faturamento ultrapassou o teto da categoria de microempreendedor individual e a sua empresa está crescendo. 

Quando o empresário decide abrir uma filial, deseja ter um sócio ou fazer sociedade com outra empresa também é preciso realizar a mudança. 

A Receita pode fazer o desenquadramento automático caso a empresa não se encaixe mais nos requisitos do MEI e não regularize a situação, dessa forma, o novo porte passa a valer já no próximo mês. 

O processo de migração de MEI para ME deve ser realizado com auxílio de um profissional especializado. Manter a empresa legalizada evita prejuízos, penalidades e também inadimplência com o setor público. 

Agora que você já sabe as diferenças entre MEI e ME, caso o seu negócio precise migrar de categoria contate a Contabilivre para te ajudar! 

botão para contato sobre como fazer um recibo de pagamento


marketing digital para MEI e ME

Marketing Digital para MEI e ME: saiba como pode te ajudar

O marketing digital para MEI e ME pode ser a estratégia que a sua empresa precisa para alavancar as vendas. A estratégia consiste em um conjunto de ações de comunicação utilizando o digital com objetivo de alcançar clientes e gerar vendas.

As redes sociais são uma ótima oportunidade para Microempreendedores individuais e Microempresas divulgarem sua marca. O segredo é saber onde seu público se encontra e criar uma presença digital para que os consumidores tenham interesse no seu produto ou serviço

E o melhor, você pode começar a fazer marketing no ambiente online sem gastar nada, apenas aprendendo e usando aplicativos e softwares gratuitos.

Mas se adaptar ao mundo digital pode ser um desafio no início. Por isso, a Contabilivre preparou um guia com dicas de como aplicar o marketing digital na sua empresa. Confira! 

O que é marketing digital? 

Imagine que você vende um determinado produto ou oferece um serviço, mas as pessoas nem sabem que ele existe ou para que serve. O dever do marketing digital é criar o desejo e a necessidade pelo o que a sua empresa comercializa por meio de canais digitais. 

A estratégia é usada por diversas organizações, desde empresas de grande porte a MEIs e ME. Todo mundo pode usar dessa ferramenta para promover um produto ou serviço, dar credibilidade a marca e criar presença online, além de ser um é um ótimo meio para atrair consumidores

Não sabe qual porte de empresa o seu negócio se enquadra? A Contabilivre pode te ajudar, fale com um de nossos especialistas

Quais plataformas usar para fazer marketing digital para MEI e ME?

Como já dito aqui, existem diversas plataformas de marketing digital. Ferramentas de blogs, de e-mails marketing, de campanhas pagas e de redes sociais são exemplos da diversidade que a área abrange. 

Então, como escolher qual plataforma para fazer marketing digital para MEI e ME? Para isso, você deve saber qual mídia o público que você tem interesse mais consome. As redes sociais são canais universais, ou seja, quase todo mundo está presente lá, por isso, começar levando sua microempresa para essas redes é uma boa opção.

Como usar o Instagram para fazer o marketing digital da minha empresa? 

O Instagram começou como uma rede social de fotos, mas, com os anos, se tornou uma vitrine online, trazendo resultados positivos para empresas. Não à toa que, 90% das contas seguem uma empresa no Instagram

A rede social tem a opção de criar um perfil comercial. O recurso permite informar o endereço comercial e adicionar botões para contato e “Saiba mais” com um link em seu perfil. 

O Instagram ainda conta com ferramentas populares entre os usuários. Os Stories e enquetes são uma ótima forma de fazer com que os usuários interajam e conheçam mais sobre os produtos que oferece

Um dono de restaurante, por exemplo, pode perguntar qual prato os clientes gostariam de ter na semana e aproveitar para divulgar o cardápio. Use e abuse de gifs, enquetes e Stories para interagir com o seu público diariamente

O Feed também faz parte da estratégia e o conteúdo que será postado depende muito do ramo do seu negócio. Uma empresa de engenharia, por exemplo, pode fazer postagens que apresentem os serviços do seu negócio e expliquem assuntos da área. Gerando, assim, interesse do público em acompanhar. 

A periodicidade também é muito importante, no feed, procure postar três vezes na semana. E não se esqueça de acompanhar os comentários e dúvidas para responder aos clientes. 

WhatsApp

Todo mundo usa o WhatsApp para se comunicar, não é mesmo? Por isso, o aplicativo é uma ótima ferramenta de marketing para MEIs e ME, isso porque por meio do canal é possível manter o contato de forma rápida e fácil com o cliente.

O aplicativo possui uma versão própria para negócios, o WhatsApp Business, que além de possuir todas as funcionalidades da versão original permite o empresário adicionar localização, horário de funcionamento e segmento comercial

Os consumidores usam muito o aplicativo para marcar consultas médicas, saber mais informações sobre o serviço e tirar dúvidas. Uma forma de usar o WhatsApp é adicionar um botão em outras redes sociais que direcione o usuário ao app. 

Você ainda pode criar ou participar de grupos de vendas para divulgar seus produtos e serviços. Essa estratégia é muito usada por negócios locais, já que esses grupos de WhatsApp costumam ter membros que moram no mesmo bairro ou regiões próximas, contendo um bom número de potenciais clientes. 

Facebook 

O Brasil tem mais de dois milhões de usuários ativos. As chances de se conectar com pessoas interessadas naquilo que você oferece é alta. Por isso, a rede social é outra opção para sua empresa divulgar produtos e apresentar serviços. 

A rede social é uma ótima plataforma para criar presença digital, despertar sensações e criar conexões que influenciam na decisão da compra. Além de divulgar, serve para o consumidor lembrar da sua empresa. 

Algumas dicas para gerar engajamento no Facebook é a postagem de imagens com citações. Procure escolher frases motivacionais e impactantes de autores relacionados à área de atuação da sua empresa. Esse tipo de post tem um bom número de compartilhamentos. 

É legal também criar postagens com dicas, sempre lembrando na questão de gerar valor para o consumidor. Além disso, não deixe de chamar o usuário para participar da postagem pedindo a opinião deles. 

Quem nunca compartilhou memes nas redes sociais? Provavelmente, todo mundo! Os posts são campeões de interações e sempre geram muitos likes e compartilhamentos. Tente fazer a analogia dos seus serviços ou produtos com memes se fizer sentido para o seu público. 

Outras ferramentas:  Google Meu Negócio

Quer coisa melhor para os negócios do que alguém encontrar sua empresa no Google sem pagar nenhuma publicidade? O Google Meu Negócio é uma ferramenta gratuita que permite inserir informações sobre a sua empresa no buscador mais usado do mundo

Com o recurso, o empreendedor pode adicionar informações do negócio e quando algum usuário digitar o nome da sua empresa no Google aparecerá endereço e contato da sua loja ou serviço. 

Aplicativos e sites

As imagens e artes dos posts são elementos muito importantes para chamar atenção dos clientes. Aplicativos e sites podem ajudar até mesmo quem não entende muito de edição. Existem diversos softwares com modelos pré-prontos e intuitivos para fazer montagens e colagens com seus produtos ou serviços.

É claro que contratar profissionais da área para o serviço deixará tudo mais profissional, mas isso vai depender muito de quanto a sua empresa tem de orçamento para gastar com a área. O que nós queremos passar é ideia de que o marketing digital pode ser adaptado para a realidade de qualquer empresa

Vale a pena investir em Marketing Digital para MEI e ME? 

Como você pode notar, o marketing é fundamental para qualquer negócio, ainda mais para quem é MEI e ME, já que é possível começar a colocar em prática a estratégia por meios gratuitos e conseguir resultados com ela.  Afinal, quem é visto é lembrado! 

O marketing digital é um espaço para diversos profissionais aproveitarem as oportunidades e se destacarem no setor. Porém, é fundamental se capacitar e conhecer algumas ferramentas do meio.

Agora que você já sabe como alavancar suas vendas com a ajuda do marketing digital, aproveite para deixar as contas e obrigações fiscais da sua empresa em dia com a Contabilivre! 

botão para contato da pagina inicial da contabilivre

pix para empresas

Pix para empresas: o que é e qual a vantagem para o seu negócio?

Quem é dono de um negócio já percebeu que a tecnologia inovou a forma dos consumidores realizarem pagamentos. Com o universo online, o que antes se limitava em “é dinheiro ou cartão” ganhou novas opções a serem exploradas, facilitando, assim, a experiência do cliente. Entre essas novas modalidades, não podemos deixar de falar sobre o Pix para empresas

O meio de pagamento instantâneo desenvolvido pelo Banco Central (BC) já está em vigor e tem tudo para trazer vantagens para o seu negócio. Rápido, prático, seguro e sem custo para o consumidor, é isso que o BC promete!  

Quer saber como funciona o Pix para Empresas? Confira tudo sobre a forma de pagamento e saiba se vale a pena implementá-la na sua empresa. No conteúdo que a Contabilivre preparou, você tira todas as suas dúvidas sobre o Pix, acompanhe! 

O que é Pix? 

O Pix é uma forma de pagamento criada e gerida pelo Banco Central que permite enviar e receber dinheiro em até 10 segundos. Um dos pontos centrais da modalidade é o horário de funcionamento. Diferente de outros meios, como boleto, TED e DOC, o Pix pode ser feito em qualquer dia e horário, incluindo feriados e finais de semana.

Com o Pix para empresas, consumidores e empresários têm mais uma opção para realizar transferência e pagar compras e serviços prestados de forma rápida e sem burocracias. Além disso, os empresários podem realizar o pagamento de fornecedores,  salários de funcionários e até tributos federais

Quer saber quais tributos sua empresa precisa pagar? Contate um de nossos especialistas para te ajudar

Vale destacar que o Pix não é um aplicativo, e sim um sistema de pagamentos que diversas instituições financeiras disponibilizam para seus clientes. Esse serviço é oferecido por meio dos próprios apps bancários, provavelmente, já instalado no seu celular e pelo internet banking. 

Como funciona o Pix para empresas? 

O Pix para empresas funciona por meio do Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI). O serviço é gerido e operado pelo Banco Central e está conectado às contas de Pagamentos Instantâneos, que são as contas das instituições financeiras.

Para receber pagamentos, as empresas precisam se cadastrar no serviço e criar uma chave Pix. Uma característica facilitadora da transação é que o CNPJ, e-mail, chave aleatória gerada pelo sistema e número de celular podem ser registrados como um chave. 

Dessa forma, com o código, a transferência monetária é realizada sem precisar dos dados bancários das pessoas ou de empresas que negociam, basta informar pelo app uma das informações cadastradas

O serviço de pagamentos instantâneos Pix funciona de modo integrado direto do aplicativo do seu banco. E se você não sabe se a instituição financeira na qual sua empresa tem vínculo oferece esse serviço, é só acessar o app bancário e conferir se a opção está disponível. 

O Banco Central anunciou que instituições financeiras com mais de 500 mil clientes têm a obrigação de aderir à plataforma, mas antes mesmo do lançamento, mais de 930 organizações, entre bancos tradicionais, fintechs e plataformas de pagamento já haviam se cadastrado para participar de testes. 

Como o cliente realiza o pagamento? 

Os consumidores têm duas opções para realizarem pagamentos com o PIX. A transação pode ser feita pelo próprio aplicativo bancário usando a chave de identificação do recebedor ou por meio do QR Code gerado ou compartilhado pelo estabelecimento. 

O pagador deve fazer a leitura de um desses códigos pelo celular para ser direcionado a página de pagamentos de seu aplicativo cadastrado no Pix. Caso o recebedor compartilhe o QR Code com o cliente, não será possível usar a câmera para a leitura.

No entanto,  um link é gerado pelo sistema do QR Code Pix,  direcionando o consumidor para o pagamento.

Como cadastrar minha empresa no Pix?

Para realizar o cadastro no Pix, sua empresa precisa de uma uma conta transacional (conta corrente, poupança ou de pagamento) em uma instituição que oferece o serviço. O passo a passo do procedimento pode variar de acordo com a sua instituição financeira. 

O registro pode ser feito pelo próprio aplicativo do banco ou pelo internet banking corporativoNão há restrições em relação ao porte das empresas participantes do Pix. A forma de pagamento está liberada para Microempreendedores individuais (MEIs), Microempresas (ME), Empresa de Pequeno Porte (EPP) e até grandes corporações. 

O que muda são as taxas que cada tipo de empresa paga pelo serviço. MEIs, por exemplo, são isentos de tarifas para realizar pagamentos e transferências, porém, algumas instituições  bancárias cobram quando o empresário recebe recursos com finalidades de compra.  

No caso dos outros portes de empresas, a tarifa em decorrência de envio e de recebimento de pagamentos de clientes é estipulada pelo banco que o seu negócio tem conta. Alguns fintechs, no entanto, não cobram taxas das empresas pelo uso do Pix.

Após o cadastro, um agente financeiro irá te contatar para validar sua inscrição e confirmar as chaves Pix que vão cadastrar no sistema.

Pix é seguro?

Segundo o BC, a segurança foi prioridade no desenvolvimento da forma de pagamento.   Requisitos, como  integridade e autenticidade das informações foram massivamente estudados pelos desenvolvedores do sistema. 

Todas transações do Pix para empresas ocorrem através de mensagens assinadas digitalmente e são trafegadas de forma criptografada, em uma rede protegida.

As informações dos usuários são também são criptografadas, isto é, esses dados apresentam protocolos que impedem terceiros acessarem as suas informações. 

Quais as vantagens? 


O Pix é mais uma opção de pagamento para os clientes. O serviço pode ser uma boa forma do seu negócio diminuir os gastos transacionais.  Além disso, quanto mais usuários o Pix tiver, mais chances a empresa tem em alcançar um fluxo de caixa mais rápido

Fora isso, é possível facilitar algumas funções operacionais do seu negócio, como pagamento de salários, contas e  tributos. O horário de funcionamento é uma das principais vantagens, estando disponível 24 horas por dia

Quais as desvantagens? 

Para realizar transações via Pix é preciso ter conexão com à internet. O pré-requisito, provavelmente, faz com que essa forma de pagamento perca alguns usuários que não costumam contratar redes móveis, sendo essa uma desvantagem da modalidade

As taxas são outro ponto negativo do serviço. Com exceção de MEis, apenas pessoas físicas não pagam taxas pelo uso das funções do Pix. Os valores das tarifas ficam a cargodos bancos e fintechs e variam de acordo com cada instituição

Qual a diferença do PIX para TED e DOC?

TED e DOC são formas de realizar transferências. Já o PIX é um sistema que permite fazer pagamentos em estabelecimentos e de contas, além de transferências bancárias. 

O horário de funcionamento dos serviços é a diferença central das transações. O Pix está disponível 24 horas por dia, 7 dias da semana. O TED e DOC funcionam apenas em dias úteis.

Além disso, o PIX traz mais agilidade para os correntistas, uma vez que as transferências e pagamentos são instantâneos. Enquanto o dinheiro enviado por TED cai até às 17 horas e por DOC a transferência só é completada no dia seguinte.  

Outras formas de pagamento

Embora outras formas de realizar pagamentos sejam mais comuns e usados no dia a dia, como boleto, cartões e até mesmo dinheiro, o Pix para empresas tem tudo para ser popularizado pela sua agilidade e baixo custo de operação. 

Um boleto, por exemplo, demora até três dias, após o pagamento, para ser compensado. O cartão de crédito também é uma forma de pagamento rápida e bastante útil, no entanto, o Pix traz mais versatilidade ao permitir pagar contas de forma instantânea. 

Mudanças na forma de pagamento

As transformações digitais causam mudanças em nossos hábitos dia após dia. O dinheiro se tornou digital e cada vez mais temos que nos adaptar as práticas dos consumidores. Em um mundo cada vez mais online, a facilidade e rapidez é algo essencial para agregar valor aos clientes. 

Agora que você já conhece o Pix e pode facilitar as formas de realizar pagamentos e receber recursos, por que não aproveita para simplificar outros processos da sua empresa? Conheça a Contabilivre e tenha mais agilidade e qualidade nos serviços contábeis de seu negócio. 

botão para contato para o que é previsão de demanda