Posso abrir empresa com endereço residencial?

Abrir Empresa com Endereço residencial
Posso Abrir Empresa com Endereço residencial?

“Posso Abrir empresa com endereço residencial?”. Poder pode, mas não é todo negócio que pode atuar em endereço residencial sem problemas.

Confira seu CNPJ e saiba se ele está entre aqueles que podem trabalhar com endereço residencial aqui.

Com o dinheiro curto para o pontapé inicial, muitos empresários acabam adiando a abertura da empresa por acreditarem que precisam de um endereço comercial para começar a operar – o que não é verdade.

 

 

Mas antes de nos animarmos com isso, veja só essa informação:

Empresas que atuam como comércio e indústria precisam de alvará de funcionamento da prefeitura, pois têm especificações prediais e de vigilância sanitária para serem seguidas, além de fiscalizações periódicas.

Se o seu objetivo é abrir uma loja de sapatos, ou uma pequena química de cosméticos naturais, Atenção, nos fundos de casa não pode.

Empresas assim não podem abrir em qualquer parte da cidade; há zonas industriais e comerciais próprias para que elas atuem sem prejudicar a comunidade, por isso tantas regras e restrições. Consulte sempre um contabilista ou contador nesses casos.

Agora, se você trabalha como prestador de serviço, abrir empresa com endereço residencial pode ser uma boa alternativa para o começo do seu negócio.

.

➤ Arquiteto, publicitário, personal trainer, profissional de beleza que atende à domicílio, técnico de computadores, paisagista, tradutor e por aí vai – você pode abrir sua empresa com endereço residencial sem problemas, de acordo com as regras do seu município.

Isso por que o profissional prestador de serviço não costuma atender no seu próprio espaço, mas sim se deslocar até o local onde o cliente está.

A residência, ou seu espaço de home office, fica apenas para realizar os trabalhos burocráticos.

Na hora de abrir empresa com endereço residencial, basta registrar a localidade como:

✔ Endereço de correspondência

✔ Ponto de referência

✔ Ou ponto tributário

que é o local onde o proprietário da empresa pode ser encontrado.

Mas fique atento: para não cometer erros na hora de abrir sua empresa e registrá-la em endereço residencial, conte com a orientação de um contador.

➤ Aqui na Contabilivre nós temos profissionais preparados para abrir sua empresa e tirar todas as suas dúvidas.

 


 

Você já conheceu ponto a ponto partes importantes no processo de abrir empresa, chegou a hora dele: o CNPJ. Saiba como obter o CNPJ da sua empresa clicando no botão:  

 

Contabilivre, a contabilidade simples e online.

APP MEI – Aplicativo da Receita Federal exclusivo para o MEI

Raramente a Receita Federal trabalha a favor dos empresários, fazendo com que nós nem percebamos quando ela realmente faz isso.

Mas hoje temos que ressaltar uma iniciativa brilhante da Receita que foi o lançamento do APP MEI – versões Android e iOS, destinado ao Microempreendedor Individual (MEI).

Nele, o MEI poderá acompanhar sua situação tributária (ver se está devedor) e gerar o DAS (documento de arrecadação) para pagamento.

O APP MEI conta com as seguintes funcionalidades:

 

1) Consultar informações sobre: CNPJ (nome, situação, natureza jurídica, endereço etc), situação e períodos de opção pelo Simples Nacional/SIMEI e situação mensal dos débitos tributários;

2) Emitir o DAS (nos meses em que a situação estiver devedora ou a vencer);

3) Obter informações gerais sobre MEI e SIMEI (conceitos, formalização, obrigações acessórias etc);

4) Fazer teste de conhecimentos sobre microempreendedor individuais e avaliar o aplicativo.

 

O Aplicativo MEI pode ser baixado tanto na Google Play quanto na Apple Store e é uma excelente ferramenta para todos os MEI se manterem facilmente organizados e em dia com suas obrigações.

Se você é um MEI e está crescendo, consulte a Contabilivre para saber qual o melhor caminho para se tornar uma Microempresa totalmente regularizada.

APP MEI

Ainda bem que existe o STF

legislacaoOntem à noite o ministro Dias Toffoli, do STF concedeu liminar solicitada pela OAB, alegando inconstitucionalidade e suspendendo os efeitos da cláusula nona do Convênio ICMS 93/2015, que tinha estendido às micro e pequenas empresas a obrigação do recolhimento do novo ICMS do comércio eletrônico.

Para quem ainda não estava familiarizado, este novo ICMS está em vigor desde 01 de janeiro de 2016, e obrigava todas as empresas que fazem vendas não presenciais para consumidores finais de fora do estado, a recolher um ICMS extra para cada venda, pagando uma guia para o estado de origem e outra para o estado de destino antes de enviar o produto para o cliente.

Sim, para quem paga o imposto uma vez por mês, a obrigação passou a ser venda a venda. Ainda por cima, o cálculo necessário para se chegar ao imposto devido era simplesmente um absurdo, e já foi objeto de um post anterior (veja aqui).

A liminar foi concedida com base no princípio mais do que claro previsto tanto na Lei Complementar 123/06 quanto no art. 179 da Constituição Federal, de que as empresas do Simples devem ter tratamento diferenciado quando forem editadas novas regras tributárias.

É claro que a liminar é motivo de celebração por parte das micro e pequenas empresas, mas é impressionante saber que secretários de fazenda de todo o país não conseguiram perceber que estavam editando uma norma inconstitucional tão flagrantemente.

Só posso concluir que, ou todos são desprovidos de inteligência, ou são todos mal-intencionados mesmo e querem que a iniciativa privada se dane.

Existe também uma ação da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico solicitando basicamente as mesmas coisas que a OAB. Agora o caso será julgado pelo STF e, certamente, essa nova regra ridícula e autoritária, terá nascido morta.

 

Contabilivre, simples e online.

Você pode estar excluído do Simples. Corra que ainda dá tempo de voltar!

O mês de janeiro é crítico para uma grande quantidade de micro e pequenas empresas no Brasil.

Para quem quer continuar com o CNPJ no regime do Simples Nacional, o prazo final para solicitação da inclusão ou da reinclusão é o dia 31 de janeiro.

Inclusão porque existem empresas que nunca estiveram enquadradas no Simples que, pelo seu porte e características, poderiam solicitar o enquadramento.

Reinclusão porque empresas que foram do Simples e acabaram sendo excluídas do regime por algum motivo, podem resolver as pendências que motivaram a exclusão e solicitar o re-enquadramento dentro do mesmo prazo.

Acontece que muitas empresas, por falta de um bom contador online, nem percebem que não estão mais no Simples, por mera falta de informação. A Receita Federal é obrigada a enviar uma correspondência eletrônica para a empresa com 30 dias de antecedência da data de exclusão (para que a empresa tenha tempo de sanar as pendências e não ser excluída), mas algumas vezes esta correspondência não é visualizada pelo empresário por mera falta de informação.

Em muitos casos a empresa só fica sabendo da exclusão no ano seguinte (a Receita “roda” uma rotina de exclusões automáticas no dia 31 de dezembro de cada ano).

Então temos a união perfeita de dois problemas: a surpresa de uma exclusão no dia 31 de dezembro e o prazo de 1 mês para resolução de todos os problemas para solicitação de reinclusão.

Mas em 90% das vezes, os problemas que geram a exclusão são a falta de pagamento de algum imposto ou a entrega indevida ou não entrega de alguma obrigação acessória.

Ou seja, a Receita prepara muito bem a situação para que a empresa com algum débito não tenha muito o que pensar e pague o que for preciso para não perder a oportunidade de voltar para o Simples. Não há tempo para discutir se os valores cobrados são devidos ou não, justos ou não, estão corretos ou não.

Clique aqui para tirar todas as dúvidas sobre a exclusão do Simples com nossa equipe

Os débitos podem ser parcelados em até 120 vezes, mas quando um parcelamento é solicitado, a empresa confessa de forma irretratável a dívida, ou seja, mais um mecanismo de pressão da Receita Federal.

Muito pior quando empresas percebem que foram excluídas do Simples no meio do mês de janeiro. Isto dá menos tempo de reação ainda para as empresas.

Mas definitivamente, ser excluído do Simples é muito pior do que pagar algumas pendências parceladas. Por isso é recomendável que todas as empresas do Simples consultem o mais urgente possível sua situação na Receita Federal (se continuam optantes) e procurem um contabilista ou contador. Caso tenham sido excluídas e queiram reverter esta situação, consultem-nos, pois podemos dar o suporte completo e coloca-los de volta ao Simples.

Mas seja rápido. Temos pouco tempo para realizar esta tarefa. A partir de setembro já é possível acessar o Portal do Simples e verificar sua caixa de email. Se estiver excluído, acesse www.contabilivre.com.br e fale com um de nossos atendentes ou envie email para [email protected]

 

Contabilivre, simples e online.