CLT ou PJ: qual: o que vale mais a pena para sua carreira?

CLT ou PJ: o que vale mais a pena para sua carreira?

A dúvida entre empreender ou fazer parte de uma empresa é uma preocupação de diversas pessoas. Entender se o seu perfil é mais adequado para CLT ou PJ demanda uma boa análise de suas habilidades, expectativas e desejos para o longo prazo. Para tomar uma decisão ainda mais consciente, vale conhecer quais as principais diferenças entre essas duas modalidades.

Ao entender quais as vantagens e os desafios de cada formato, você consegue se preparar de maneira adequada para desenvolver seu próprio negócio ou seguir para a composição do quadro de funcionários de alguma corporação. Se você ainda não sabe qual a melhor opção para sua vida, continue a leitura e confira nossas recomendações!

CLT ou PJ: quais são as diferenças?

Existem várias diferenças entre trabalhar como CLT e como PJ. Entender tais distinções pode ajudá-lo a compreender o que é melhor para você e direcionar sua carreira para um lugar que lhe proporciona mais felicidade e qualidade de vida. Veja mais abaixo!

Estrutura de trabalho

Há várias distinções na estrutura legal de trabalho entre CLT e PJ. Por exemplo, o primeiro tem registro na carteira de trabalho e forma vínculo com uma empresa, como funcionário, sendo necessário trabalhar uma carga horária estabelecida e prevista na constituição federal.  

Já quem opta por ser PJ pode prestar serviços para diversas empresas, porém, sem vínculo empregatício. Ou seja, há uma flexibilidade de horário, e na contratação da pessoa jurídica a atividade e o tempo são estabelecidos em contrato de prestação de serviço, na grande maioria.  

Tributação

Em ambas as possibilidades existem formas de tributação. Um funcionário CLT pode representar um custo muito alto para uma empresa, o que, por sua vez, acaba reduzindo a oferta de empregos. E o funcionário por sua vez, tem alguns descontos em seu salário referentes ao INSS e ao Imposto de Renda, desta forma o valor recebido é sempre menor que o salário registrado em carteira

Dessa forma, a prestação de serviços como PJ surge como uma alternativa. Neste modelo, o profissional como prestador de serviço deve pagar impostos, que variam de acordo com atividade e porte da empresa. Porém, com o suporte de um contador é possível descomplicar essa questão.

Estabilidade

Nesse quesito, pode parecer vantajoso ser CLT, porém, você depende da decisão de outra pessoa para se manter no emprego. Pessoas que trabalham nessa modalidade têm direitos assegurados, como férias, FGTS, INSS e outros, mas também possuem vários descontos que corroem o salário.

Já as pessoas que optam em atuar como PJ não apresentam tais direitos, exceto a contribuição ao INSS, tampouco os descontos que reduzem os ganhos. Além disso, com um bom planejamento financeiro e empresarial é possível garantir estabilidade e segurança em relação ao dinheiro para o dia a dia. 

Oportunidades de crescimento

Em ambos os casos há oportunidades. Enquanto CLT, você tem a chance de desenvolver um boa carreira na empresa em que está trabalhando, almejando novos cargos e salários. Porém, vai exigir, caso esta oportunidade seja conquistada, uma entrega maior com cobranças mais frequentes. 

Como prestador de serviços, é possível atender a diversos clientes e fazer seus ganhos aumentarem de forma significativa. Com um bom planejamento e determinação, é possível  se dar muito bem como PJ. Além disso, o número de contratações via B2B tem crescido de forma interessante e aproveitar esse cenário é uma ótima oportunidade.

Habilidade de liderança

Enquanto CLT, suas chances de liderar estão na possibilidade de ganhar um cargo como gerente ou líder de uma equipe. E isso vai depender muito se a empresa em que trabalha oferece plano de carreira e claro do seu desempenho e objetivos. 

Como PJ, você é o seu próprio líder e gestor. Nesse sentido, a responsabilidade de planejar sua aposentadoria e fazer a empresa crescer é sua. Porém, com o suporte de um contador e com um bom planejamento, isso pode ser simplificado. Além disso, oferecendo um serviço de qualidade, as chances de crescer seu negócio são muito positivas.

Quais são as vantagens do contrato CLT?

Como falamos anteriormente, a contratação CLT é representada pelo vínculo entre o profissional e a empresa contratante. Por esse motivo, a lei garante diversas proteções e direitos para esse modelo.

Nesse cenário, o trabalhador é remunerado em férias, tem 13º salário e caso seja desligado da empresa pode contar com o seguro desemprego, por exemplo. O horário de trabalho também fica limitado à jornada de prevista em lei ou alocação em turnos de acordo com a profissão.

Quais são as vantagens de ser PJ?

A capacidade de empreender está presente em cada brasileiro. Por meio da observação do seu mercado, você pode entender qual necessidade não é satisfeita e desenvolver um produto ou serviço que resolva tal problema. Esse tipo de plano representa o primeiro passo para a criação de um negócio de sucesso.

A motivação em resolver uma dor do seu público também é fonte de grande satisfação para o empreendedor, que consegue criar por meio do seu trabalho as soluções que os clientes necessitam.

Além disso, a liberdade financeira e a flexibilidade de horários não devem ser desconsideradas. Saber que você tem autonomia para trabalhar conforme suas necessidades e se ausentar sem ter de solicitar permissão, representa um nível de autonomia a e poucas pessoas têm acesso.

Como a Contabilivre pode ajudar?

Para quem se identifica com a vida empreendedora e com os desafios que ela apresenta, a Contabilivre pode tornar a sua vida ainda mais fácil, oferecendo um pacote de soluções para questões contábeis, fiscais e de controle, totalmente online e descomplicadas.

Assim, você precisa apenas se concentrar na condução do seu negócio e na melhoria dos serviços para os clientes, deixando de lado todas as atividades burocráticas relacionadas com o pagamento de impostos. Aliar esses benefícios com a facilidade que o atendimento online oferece, permite que você tenha mais controle e segurança na sua rotina empresarial.

Por fim, decidir entre CLT ou PJ é uma questão muito pessoal, mas agora você já sabe como cada um funciona e está apto para tomar a sua decisão com segurança.

Agora se decidiu ser PJ e quer começar a trilhar a sua jornada como empreendedor? Então, entre em contato agora mesmo e veja como a Contabilivre pode ajudá-lo!

ao lado esquerdo da imagem há uma mulher branca sentada em um sofá segurando na não uma folha de papel e com a outra mão colocada na cabeça, em seu colo há um computador e sua expressão é de assustada, no lado esquerdo há uma parte em azul escrita: O que é COFINS? Entenda tudo sobre a contribuição

O que é COFINS? Entenda tudo sobre a contribuição

O Brasil é um dos países que mais cobra impostos do mundo. Essa questão pode causar muita dor de cabeça para o empresário brasileiro, já que ele acaba recebendo a desafiadora tarefa de compreender melhor cada um dos tributos. Inclusive, uma das contribuições que causa muitos questionamentos, por parte dos empreendedores de primeira viagem, é a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social, ou só COFINS.

São poucos empreendedores que conhecem mais a fundo o imposto. Alguns detalhes como: “quais negócios têm a obrigatoriedade de pagar o tributo?” e “como realizar o cálculo?” passam despercebidos. Mas essas informações são importantes para o contribuinte conhecer os seus deveres e manter o seu negócio regularizado.

Para trazer esses conhecimentos sobre o COFINS, preparamos um artigo exclusivo explicando até os pormenores sobre a contribuição. Confira!

O que é o COFINS? 

O COFINS é um tributo federal que incide na receita bruta da empresa. O destino da arrecadação é custear a seguridade social, ou seja, os serviços que abarcam a previdência, a assistência social e a saúde da população.

O valor da contribuição varia de acordo com a receita bruta mensal de cada empresa. Assim, o cálculo do imposto, muitas vezes, fica a encargo do contador contratado – ou, até do empresário, que precisa estar atento ao cálculo, também, para poder conferi-lo.

Por conta disso, é importante que o empreendedor saiba se tem essa obrigatoriedade ou não de realizar o recolhimento do imposto.

Quem deve pagar o COFINS? 

Pessoas Jurídicas de direito privado precisam pagar o COFINS. Para deixar mais claro: quase todas as empresas legalmente constituídas precisam pagar o imposto. Isso porque há, algumas, exceções.

O Microempreendedor Individual (MEI), as Microempresas (ME) e as Empresas de Pequeno Porte (EPP), que estão enquadradas no regime tributário Simples Nacional, não precisam realizar o recolhimento do tributo.

Isso acontece porque o pagamento da contribuição é feito por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), em uma guia única de pagamento do regime tributário.

O que é o Simples Nacional? 

Como já comentado neste artigo, o Simples Nacional é um regime tributário, que implica o recolhimento, mediante documento único de arrecadação, conforme a Lei Complementar nº 126/2006.

Empresas de porte MEI, ME ou EPP podem optar pelo regime. Os outros portes não podem escolher pelo Simples. Por isso, os demais empresários precisam realizar o pagamento do imposto e, para saber como calcular o valor, é necessário ter o conhecimento de como a contribuição funciona.

Como funciona o cálculo do COFINS?

Como dito anteriormente, antes de realizar o cálculo do COFINS, é necessário a compreensão de como o tributo funciona. Isso porque o cálculo varia de acordo com a incidência do tributo.

O governo oferece as empresas duas formas de incidência do COFINS: a cumulativa e a não-cumulativa. Esse detalhe é importante pois a alíquota – percentual que o tributo incide – muda de acordo com a incidência.

Segue, abaixo, as incidências e suas características principais:

  1. Cumulativa: presente nas companhias que adotam o regime tributário de Lucro Presumido. Nesse caso, a alíquota do cálculo é de 3%.
  2. Não-cumulativa: empresas com o regime de tributação Lucro Real. Nesse caso, o percentual é de 7,6%.

Inclusive, as atividades exercidas pela empresa e suas demais características não interferem no cálculo deste imposto, ou seja, a tributação não muda de acordo com os tipos de serviços ou vendas prestados.

Logo, os fatores que são levados em consideração, no momento de calcular o COFINS, são a alíquota e o valor da receita bruta da empresa. 

a mesa com uma calculadora sendo segurada por duas mãos que realizam uma conta, como se estivesse calculando o COFINS, há papéis espalhados e no canto esquerdo há uma parte de um notebook e no canto direito há uma xícara de café
Entenda o passo a passo para calcular o COFINS

Como calcular o COFINS na incidência cumulativa? 

O cálculo do COFINS pode parecer complicado, mas não é tão difícil de compreender.   Entendendo o passo a passo para realizar cada conta fica mais visível como calcular este imposto. E, para uma melhor explicação, utilizaremos um exemplo em cada caso.

No cenário das empresas que se enquadram no regime tributário Lucro Presumido, com  o recolhimento cumulativo, é importante ressaltar, antes de mais nada, que a receita utilizada no cálculo não considera créditos tributários, ou seja, aqueles que são relacionados aos custos, despesas e encargos da empresa.

Além disso, é necessário saber, também, a respeito de outro imposto, o Programa de Seguridade Social (PIS). Isso porque é comum que PIS e COFINS sejam citados juntos e, muitas vezes, até confundidos como apenas um tributo.

Ambos possuem finalidades parecidas, assim, são citados juntos como “PIS/COFINS”. Enquanto o COFINS é voltado para a seguridade social, o PIS é para o financiamento de programas de integração social do trabalhador como, por exemplo, o abono salarial e o seguro desemprego.

Devido a essa proximidade das contribuições, é recomendável realizar o cálculo de ambos juntos. Assim, mostraremos o cálculo do COFINS juntamente com a conta do PIS.

Com isso em mente, suponha que uma empresa tem como Receita  Bruta o valor de R$ 10.000,00 e a forma de pagamento dela é por meio do recolhimento cumulativo, ou seja, alíquota do COFINS é de 3% e a do PIS é de 0,65%.

Para realizar o cálculo basta multiplicar a alíquota e o valor da receita: 

  • COFINS = Receita Bruta (10.000) x Alíquota (3%)
  • COFINS = 10.000 x 0,03
  • COFINS = 300

Assim, o valor do imposto COFINS, neste caso, é de R$ 300,00. O cálculo do PIS segue a mesma lógica. 

  • PIS = Receita Bruta (10.000) x Alíquota (0,65%)
  • PIS = 10.000 x 0,0065
  • PIS = 65

Assim, o valor do imposto PIS, neste caso, é de R$ 65,00 Agora, caso fosse outro recolhimento, o não-cumulativo, o cálculo muda.

Como calcular o COFINS na incidência não-cumulativa? 

No caso das empresas que se enquadram no regime tributário Lucro Real, de  recolhimento não-cumulativo, a alíquota do COFINS é de 7,6%.

É válido lembrar que, neste cálculo, a receita se difere do regime anterior pois, nesse caso, acontece a apropriação de créditos tributários embutidos em custos, despesas e encargos – fatores que foram desconsiderados na conta anterior.

Dito isso, para calcular o imposto, na incidência não-cumulativa, é preciso seguir algumas etapas diferentes do que foi feito no outro. Para ilustrarmos melhor, utilizaremos um novo exemplo.

Desta vez, a receita é de R$ 20.000,00 e o registro em compras, da empresa, é de R$ 10.000,00. A alíquota do COFINS é de 7,6% e a do PIS é 1,65%. Realizaremos, agora, a primeira parte do cálculo:

  • COFINS sobre a venda = 20.000 x 7,6% = 1.520
  • COFINS sobre a compra = 10.000 x 7,6% = 760
  • COFINS = 1.520 – 760
  • COFINS = 760

Assim, o valor do COFINS, neste caso, é de R$ 760,00. Feito isso, seguiremos para o cálculo do PIS. 

  • PIS sobre a venda =  20.000 x 1,65% = 330,00
  • PIS sobre a compra = 10.000 x 1,65% = 165,00
  • PIS = 330 – 165
  • PIS = 165,00

Portanto, o valor do PIS, neste caso, é de R$ 165,000. E, para além dos cálculos em cada regime, é importante saber, também, como realizar o pagamento mensal dessa contribuição. É necessário ressaltar essas duas questões para que o empresário mantenha a empresa sem atrasos fiscais e, com isso, regularizada com o Fisco.

Precisa de ajuda com a contabilidade da sua empresa para poder otimizar o seu tempo e atender outras demandas do seu negócio? Contate a Contabilivre, contabilidade online e sem burocracias!

Como realizar o pagamento?

Para realizar o pagamento do COFINS é preciso emitir o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). Essa guia pode ser emitida pelo Sistema de Cálculo de Acréscimos Legais (Sicalc).

O DARF é um documento da Receita Federal que realiza o recolhimento dos impostos, taxas e contribuições embutidas em operações comerciais. É válido ressaltar que cada guia do DARF é voltada para o pagamento de um determinado tributo.

Assim, o pagamento do COFINS é realizado separadamente do pagamento do PIS, ou seja, é gerado um DARF para cada contribuição. O prazo máximo para realizar o pagamento dos tributos é até o 25º dia de cada mês.

Por fim…  

Além do pagamento, há outros pontos sobre o COFINS que precisam ser de conhecimento do empreendedor. Detalhes como as questões que tangem produtos isentos dos impostos, como é o caso dos produtos monofásicos, por exemplo.

Para saber mais sobre esses últimos pormenores mencionados em relação aos produtos e realizar o cálculo do PIS/COFINS com eficiência, é recomendável entrar em contato com um contador. Pois, com um serviço de contabilidade de qualidade, é possível obter o direcionamento apropriado e necessário com as demais burocracias e exceções dos tributos.

Para isso, entre em contato conosco! Nós da Contabilivre realizamos contabilidade online, sem burocracias e disposta a atender as suas necessidades!